quinta-feira, 10 de novembro de 2016

A dor, eu e a vida.

Minha vida é um tanto complicada. Cresci no meio da turbulência, das noites em que eu chorava por dentro, mesmo quando nenhuma lágrima caía no meu olhar. Perdi minha mãe e quando ela se foi, grande parte de mim se foi junto. Minha vida só estava começando naquele instante e eu mal sabia o que iria enfrentar pela frente. Segui a minha vida, mas nada continuou como antes, os dias eram vazios, talvez eles ainda sejam vazios. Adoro sair aos finais de semana, pra mim não tem dia certo pra beber, eu bebo mesmo e não sou dessas que me importo sobre o que pensam ou não ao meu respeito, enquanto falam, eu vivo. Não sei se é certo achar que minhas mágoas irão se afogar no copo cheio, mas eu acho, talvez seja o único momento em que estou sorrindo de verdade. Ah, mas depois que o efeito passa, eu choro, choro por saber que não estou verdadeiramente feliz, que o meu pai enxerga os meus irmãos, mas nunca tem olhos voltados pra mim que tenho um coração tão bom, que apesar dele ter me deixado em um dos piores e melhores momentos da minha vida, eu ainda consigo encontrar paz no abraço que ele me dá e cada vez  que o vejo, ah, eu sinto como se fosse a primeira vez, o primeiro abraço e olhar. Me relacionei profundamente com alguém que tinha tão pouco a oferecer pra mim, no começo tudo era maravilhoso, mas nós brigávamos muito. É fato que eu sinto falta de tudo que vivi ao lado dele, dos planos que construímos juntos, mas falta mesmo eu sinto era de ser feliz de verdade, de dormir e acordar sorrindo, talvez a vida queira me tornar ainda mais forte do que pensei que iria me tornar, foi tudo tão difícil até aqui, mas eu abrir os olhos e pude ver o quanto sou importante e o quanto viver também é. Ele é o amado do meu coração, mas não nos falamos, mesmo quando cruzamos o mesmo espaço e tempo, nos faltam forças para olhar diretamente um ao outro. É difícil seguir em frente quando a gente já perdeu tantas coisas e pessoas, quando a felicidade parece estar próxima e ao mesmo tempo tão distante, mas o ideal é viver, nunca pedi dias fáceis, mas sempre busquei encontrar forças no que amo e em quem amo, acho que viver é muito mais que suportar momentos ruins, mas também é agradecer por viver eles. Não sou forte o suficiente para sorrir todos os dias, compreenda, bons corações com grandes feridas tendem a resultar em lágrimas em um olhar puro e sincero como o meu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário